Sicília – A bela e tranquila Siracusa

 

Quase uma hora de Catânia, by bus, chegamos a Siracusa. O ônibus nos deixou muito perto da nossa (primeira) hospedagem siciliana, graças a um aplicativo de localização foi possível pedir para o motorista parar em um ponto no meio do trajeto. Me pergunto como sobrevivíamos no passado sem os aplicativos de localização. Como?

Chegando em “casa”, muito exaustos do voo, da função aeroporto, do traslado e todo o resto, preferimos descansar um pouco e esperar o sol baixar e nada melhor do que ficar embaixo do ar condicionado, um item necessário no verão europeu. Ao entardecer, com o clima menos quente, saímos para jantar em busca de um local despretensioso, sem pesquisar referências nos sites especializados, fomos a própria sorte mesmo. Então nos sentamos em um restaurante ajeitado, daqueles que têm as mesas posicionadas numa plataforma tomando parte da rua. Fizemos o pedido e aguardamos enquanto decidíamos nosso itinerário do dia seguinte, depois de sentir o calor na nuca achamos melhor fazermos algumas alterações nele, por causa das crianças. Não tardou muito nossos pratos chegaram bem apresentados e extremamente perfumados … o sabor? Bem, neste momento nos demos conta de que não tem um lugar na Itália que a comida seja algo menos do que “fantástica”. Portanto, não seria diferente na Sicília, muito conhecida pelos sabores únicos.

Tudo o que passamos naquele dia, desde a chegada na ilha, o calor, o visual árido (estilo faroeste) entre Catânia e Siracusa, andar com malas e crianças por calçadas disformes, bem, naquele exato momento, na primeira garfada e no primeiro gole do vinho da casa, um suspiro de alívio e tudo aquilo foi para longe de nós, uma certeza tínhamos, comeríamos e beberíamos muito bem e isso é, para nós, parte essencial para o sucesso de um destino. A Itália toda é assim, caótica, dramática, saborosa, encantadora e belíssima. A Sicilia é tudo isso e mais um pouco.

Dali por diante tudo foi mágico.

Eu lembrei, esta foi uma impressão minha, que já tinha perdido o costume de viajar para lugares onde a infraestrutura é desorganizada. Estava já me acostumando a lugares perfeitos onde tudo funciona bem e na hora, como as cidades do norte da Europa. Sempre que vou para a Italia, depois de passar um tempão na Holanda, o sangue volta a ferver, a movimentação, os sons, os sabores, o caos, tudo com muita vida. Este país costuma me surpreender sempre, em tudo. Tenho um carinho especial por ele. E agora, por esta ilha italiana.

Enjoy it

Agatha